segunda-feira, 21 de janeiro de 2019

À espera da JMJ, Papa apresenta a app 'Click to pray'

2019.01.20 Angelus
Em suas palavras após a oração do Angelus, Francisco também se solidarizou com o povo colombiano e mencionou a Jornada Internacional da Educação, que se celebra em 24 de janeiro.
 
Cristiane Murray - Cidade do Vaticano

Na manhã de domingo (20/01), Papa Francisco manifestou publicamente a sua dor pelos naufrágios no Mar Mediterrâneo e solidariedade ao povo colombiano, abalado pelo atentado contra a Academia-Geral de Polícia Francisco de Paula Santander, em Bogotá, afirmando que reza pelas vítimas e suas famílias, e pelo êxito do processo de paz na Colômbia.  

JMJ, evento importante

Falando após a oração do Angelus, na sacada de seu escritório, aos fiéis, turistas e romanos presentes na Praça São Pedro, o Pontífice lembrou ainda que partirá para o Panamá, onde de 22 a 27 se realizará a JMJ, “evento belo e importante no caminho da Igreja”, disse.

Comunicação: redes e comunidades

Na sequência, anunciou iminente a publicação da Mensagem para o Dia Mundial das Comunicações Sociais, que proporá uma reflexão sobre as comunidades da rede e a comunidade humana. Para Francisco, “Internet e redes sociais são um recurso de nossos tempos; uma ocasião de estar em contato com os outros, compartilhar valores e projetos, expressar o desejo de ‘fazer comunidade’.

O Papa usa um tablet e explica

“A rede pode nos ajudar a rezar juntas. Por isso, gostaria de apresentar o aplicativo oficial da Rede Mundial de Oração do Papa: ‘Click To Pray’, disse Francisco, apresentando também o P. Frédéric Fornos, S.J, seu diretor internacional.. O Papa convidou os jovens a baixarem a app Click To Pray e a continuar a rezar com ele o Terço pela paz, especialmente durante a Jornada Mundial da Juventude no Panamá.

Plataforma multimedia

A plataforma dispõe de uma página web e da app móvel, em Android, e em iOS, e está disponível em seis idiomas (espanhol, inglês, italiano, francês, português e alemão). A cada mês, serão publicadas as intenções e pedidos do Papa pela missão da Igreja.

segunda-feira, 7 de janeiro de 2019

Tesouro, como encontrá-lo?


Tesouro, como encontra-lo.jpg
 
Quem não sonhou com um tesouro?
 
Provavelmente todos já sonharam com o encontro de um grande tesouro. Um tesouro que traga despreocupação de toda espécie, para o resto da vida.
 
E a imagem de um tesouro que foi escondido e que o podemos encontrar marca a fundo o imaginário dos homens, em todos períodos da humanidade.
 
Tanto é assim que o próprio Nosso Senhor Jesus Cristo em suas parábolas usou a imagem do tesouro escondido, do tesouro encontrado, do tesouro perdido, para explicar o que é o Reino dos Céus. (Mt 13, 44)
 
Há um tesouro à disposição de cada um de nós. Tesouro os há de toda a espécie.
 
Existem os tesouros materiais que são os mais citados, mais proclamados como disponíveis para ser encontrados.
 
Mas existem também outras formas de tesouros. E estes parecem ser os tesouros verdadeiros e sem dúvida os de maior valor...
 
Estou falando dos tesouros espirituais que, embora menos lembrados, são os que nossas almas verdadeiramente anseiam. São estes tesouros espirituais a que nos remetem as parábolas de Nosso Senhor.
 
Se quiserem, estes são os verdadeiros tesouros... São tesouros que nunca caruncham, tesouros aos quais o verme roedor não ataca.

Vale a pena eles serem procurados por quem nunca os teve. E, também para os que os tiveram e perderam, vale a pena ir atrás deles, procura-los, busca-los incessantemente. 
 
Muitas vezes não sabemos, porém é a falta desses tesouros que nos traz saudades inexplicáveis, ou, o que é pior, vazios incompreendidos e mal-estares que não sabemos de onde vêm. Tesouros... que são os únicos capazes de trazer a porção de felicidade que podemos gozar nesta terra de exílio!

Descobri um mapa desse tesouro!!! Ele está bem descrito e um bem traçado mapa, bem desenhado, nos conduz a ele. Quem "desenhou" esse mapa foi, nada mais nada menos Santo Afonso Maria de Ligório, Doutor da Igreja. 
 
Passo a você este mapa, ele mesmo um tesouro... O tesouro que, com quanta razão, é dos mais desejados!
 
Máximas de Santo Afonso Maria de Ligório para encontrar o tesouro da felicidade
 
Para viver sempre bem é preciso que gravemos profundamente na alma certas máximas gerais de vida eterna.


- Tudo o que vem de Deus, ou próspero ou adverso, é bom e para nosso bem.


- Custe Deus o que custar, nunca nos sairá caro.


- Sem Deus não se pode ter verdadeira paz.


- Perdido Deus, é tudo perdido.


- Só é necessário amar a Deus e salvar a alma.


- O que não se faz por Deus, redunda em sofrimento.
 
- Quem ama a Deus, em todas as coisas achará prazer; quem não ama a Deus, em nenhuma coisa encontrará verdadeiro prazer.
 
- Só o pecado se deve temer.
 
- De que servem no momento da morte, todas as grandezas deste mundo?
 
- Todas as coisas deste mundo acabam, o gozo e o sofrimento; mas a eternidade nunca tem fim.
 
- Quem reza se salva; quem não reza se condena. (Obras ascéticas, BAC, Madrid, 1954)

 João Sérgio Guimarães

quarta-feira, 2 de janeiro de 2019

Proteja sua história


Maria guardou todas essas coisas, meditando-as em seu coração. (Lc 2,19)

Talvez tenha acontecido também a você de conservar no coração palavras misteriosas palavras misteriosas que escutou, eventos poucos claros, encontros inesquecíveis, memórias vivas que produziram novos sentidos, geraram novas percepções e passos inéditos. Tecer os vários fragmentos da vida com o fio da memória significa ao Mistério revelar o sentido e a direção do caminho.

Apenas no início de um ano novo, a vida lhe oferece uma feliz aventura! Mas ela não o deixa sozinho, confia-lhe uma companheira de viagem: seu nome é Maria de Nazaré. O Evangelista Lucas apresenta-a como mestra da escuta e da memória que não deixa cair o tempo no esquecimento. Uma mulher que a meditação constante das Sagradas Escrituras, torna-a capaz de conservar cada fragmento da própria história e de perceber nela os caminhos de Deus. Justamente pela sua atividade contemplativa (cf. Lc 2, 19.51), Maria assume um novo nome : a symballousa. O verbo symballo (formado por syn=com, e barro= lançar, arremessar), significa unir, fazer convergir, aproximar partes distantes, separadas, coisas diferentes. Maria, portanto, faz unidade entre fragmentos de experiência, entre coisas diferentes, e nos ensina que para compreender a própria identidade, a própria vocação,torna-se indispensável colocar e amalgamar os opostos da vida no fogo da Palavra. Somente à luz da palvra meditada e conservada no coração, as contradições adquirem significado. E então, o que está esperando?

Mergulhe no profundo de seu coração, sem medo. Maria o conduz, lentamente, no silêncio da oração a escutar a voz das escrituras e reunir na Palavra os fragmentos de sua vida espalahados ao longo do tempo, como pérolas preciosas de um único colar.

Francesca Pratillo, fsp