terça-feira, 13 de junho de 2017

Longanimidade, fruto do Espírito


Longanimidade é um substantivo feminino da língua portuguesa e define alguém que possui a característica ou qualidade de grandeza de ânimo, uma pessoa que encara com coragem as adversidades a favor de alguém

A paciência extrema para suportar ofensas, injúrias ou os próprios sofrimentos também pode ser um exemplo de longanimidade. O significado livre da palavra de origem hebraica é "vagaroso em irar-se", ou seja, alguém que demora para entrar em estado de ira, raiva ou rancor. Na versão grega da expressão (makrothymía), o significa literal seria "longura de espírito". 

A longanimidade é uma característica muito defendida na doutrina cristã, através da Bíblia, estando presente em diversos versículos e textos religiosos. É uma virtude de quem é bondoso e generoso, de quem acredita e tem fé em Deus para ajudar a solucionar os seus problemas.

De acordo com os ensinamentos de Deus, registrados na Bíblia, o longânime (pessoa que pratica a "longanimidade de Deus") pode parecer aos olhos dos que não creem um fraco, mas na verdade usa-se do discernimento e sensatez para resolver as adversidades sem usar a força física ou de maneira irracional. Na realidade, para a doutrina cristã, a falta de longanimidade é uma das grandes responsáveis pela intolerância e violência na humanidade. 

Sem tempo a perder, o homem moderno acabou abandonando o bom senso que pede a reflexão e o discernimento como ferramentas fundamentais nas tomadas de decisão, e mesmo nas relações interpessoais. Fruto de uma sociedade tecnológica, que têm à disposição informações precisas em segundos, e da globalização que encurta distâncias antes inimagináveis, o ser humano quer também que esta rapidez aconteça quando precisa de respostas que o "Google" não pode dar. 

Há situações na vida que nos obrigam a parar, quer queiramos ou não. Uma enfermidade, um acidente que incapacita, uma depressão, a perda de um emprego, a morte de alguém muito próximo, uma guerra, uma catástrofe natural, enfim, acontecimentos que mudam nosso padrão de resposta aos fatos. Aí entra esse fruto do Espírito Santo para ajudar a olharmos para o futuro com paciência, e com a capacidade de aguardar por dias melhores.

Podemos contudo cultivá-lo desde já. Sabendo que não temos controle sobre nada, a longanimidade é um respiro longo e restaurador que dá ao nosso espírito a esperança de que o melhor acontecerá, segundo a ótica de Deus, no tempo em que Lhe aprouver. É libertador poder deixar-se conduzir por esta paciência esperançosa que abranda a ansiedade de ter que dar conta de tudo, de reagir a tudo, de pensar-se tudo. Somos criaturas, não deuses...

Como longanimidade não se compra em cápsulas, precisamos pedir ao Espírito Santo que nos dê essa virtude, para podermos respirar mais tranquilos, fazendo nossa parte, mas sabendo que "tudo posso naquele que me fortalece"! (Fil 4,13)

Malu e Eduardo Burin

Nenhum comentário:

Postar um comentário